Conheça André Rieu

Uma pequena biografia

Nascimento: outubro de 1949, em Maastricht - Reino dos Países Baixos (mais conhecidos entre nós como Holanda).

Primeiras aulas de violino: 1954

Término do 2° Grau, com ênfase em ciências e línguas clássicas e modernas: 1967; continuam as aulas de violino.

Conclusão de curso no Conservatório de música em Maastricht e Liège (Bélgica); lições de violino, entre outros, com Jo Juda e Herman Krebbers (ambos integrantes da Amsterdam's Concertgebouw Orchestra): 1973

Conclusão do curso de violino (PremièrPrix) no Brussels Conservatory, em Bruxelas/Bélgica; aulas com André Gertler: 1977

Formação da primeira orquestra (Maastrichts Salon Orkest): 1978

Integrante da Limburg Symphony Orchestra: 1978/1989

Duração da Maastrichts Salon Orkest: 1978 a 1996 (Concertos na Holanda, Bélgica, Alemanha e Estados Unidos).

Criação da Johann Strauss Orkest (JSO), e da "André Rieu Productions": 1987.


Compositor e arranjador

 


André Rieu e seus irmãos Jean-Philippe e Robert, também músicos

Praticamente todas as músicas gravadas por André Rieu e sua JSO, tiveram os arranjos feitos por ele mesmo, sozinho ou em parceria com seu irmão Jean Philippe ou com alguns dos integrantes da orquestra, como Frank Steijns e Jo Huyts.

Além disso, como sempre gostou de improvisar ao violino desde seus tempos de estudante deste instrumento, seu talento como compositor acabou por aflorar em composições muito lindas.

Aqui estão listadas algumas delas, feitas em parceria com seu irmão, Jean-Philippe Rieu:

Lost Heroes/Summerlove

Please don't Go (com letra de Marjorie Rieu)/Romance pour Clara (instrumental)

La Vie est Belle

Ballade

I Love You

The Old Castle/Das Alte Schloss/Autumn in Venice

Auf der Kirmes/Hurdy-Gurdy Walz

As composições "Lost Heroes"  e "Please don't Go", além da versão instrumental, receberam letras escritas, em inglês, pela esposa de André, Marjorie Rieu, e foram interpretadas pelas sopranos brasileiras Carmen Monarcha e Carla Maffioletti, juntamente com a soprano holandesa Suzan Erens;"Lost Heroes" também foi interpretada pela soprano holandesa Kelly God.

Marjorie Rieu, além destas, escreveu as letras para a canção japonesa "Sakura", composta por N. Morigama, em duas versões, em alemão e em italiano, cujos títulos são, respectivamente, "Nur mit dir Möchtich Gehen"  e "Solo tu", sendo que a versão em alemão foi interpretada por Semino Rossi, e está incluída no CD "Aus Meinem Herzen", lançado no Brasil em 2005, com o título "Songs from my Heart".

Para maiores detalhes, visite o site oficial do Maestro.


Premiação

André Rieu e a Orquestra Johann Strauss já receberam inúmeros prêmios pela vendagem de sua discografia.

André diz sentir-se orgulhoso de os ter recebido, porque para ele e sua orquestra, é um sentimento maravilhoso saber que muitas pessoas em vários países gostam da música que fazem.

E é exatamente este o significado de tais prêmios para eles!

A listagem de premiações é bastante extensa; conheça mais visitando o site oficial do André.


Outros talentos de André Rieu

Além de músico, André possui outros talentos, como o dom para o desenho (André costuma até desenhar os palcos usados nas apresentações; escolhe pessoalmente os tecidos e desenha os vestidos que as mulheres da sua orquestra trajam durante os concertos); a arquitetura; a construção civil e a gastronomia.

Seus hobbies, para relaxar quando está em sua casa em Maastricht incluem especialmente a fotografia, a criação de peixes ornamentais em seu jardim, a jardinagem, o cuidado com a sua orangerie (estufa, onde cultiva até laranjeiras) e com seus amados pássaros, os passeios com seus cães, e a cozinha.

No livro Minha Vida, Meu Trabalho, escrito pela Marjorie Rieu, André conta que desde criança sempre se viu envolvido em projetos de reforma em casa e também costumava cozinhar para toda a família: além dele próprio, seus pais, 5 irmãos, e sua avó, que morava com eles.

A propósito, André vem há tempos elaborando vários projetos para restauração do castelo “De Torentjes”, de sua propriedade, chegando inclusive a “botar a mão na massa” em algumas obras com aquela finalidade.

Parece que seus filhos herdaram o gosto do Maestro pela cozinha, e costumam assumir a preparação de alguns pratos para a família, especialmente em ocasiões como o Natal, e segundo seu pai, nada ficam devendo aos melhores “chefs”.

Só para ilustrar, escolhemos no site oficial do André essas duas receitas:

Spekpannenkoeken
Panquecas com bacon

(Ingrediëntenvoor 4 personen)
(Ingredientes para 4 pessoas)

500g meel
500g de farinha de trigo

800ml melk
800ml de leite

2 eieren
2 ovos

1 scheut olie
1 "pitada" de óleo

1 scheut bier
1"pitada" de cerveja

200 g gesneden spek
200g de bacon em fatias

Comentário de André envolvendo suas habilidades na cozinha, em um texto obtido de seu site:

“Como vocês devem ter visto em meus últimos vídeos da página "News", em meu website, (www.andrerieu.com), nós, da Johann Strauss Orkest, nos deliciamos com um prato típico da cozinha holandesa após as sessões de gravações de nossos CDs: Panquecas com bacon.

Então para que vocês possam também deliciarem-se com aquelas panquecas, aqui está a receita, que é muito simples.

"Bata os ovos e o leite em uma tigela grande. Adicione uma "pitada" de óleo e uma de cerveja; em seguida coloque a farinha de trigo. Bata tudo junto até obter uma massa bonita e uniforme.

Então para cada panqueca, frite 2 fatias de bacon em uma frigideira, e despeje uma concha grande daquela massa sobre elas.

Cozinhe a panqueca até que um dos lados fique na cor marrom-dourado, e então vire-a (cuidado com o teto!) e cozinhe até que o outro lado fique também marrom dourado.

Bom apetite!"

Aardbeiendessert
Sobremesa de morangos 

(Gemarineerde aardbeien met vanille-ijs en aardbeienroom)
(Morangos marinados com sorvete de baunilha e creme de leite batido com morangos)

Ingrediënten voor 4 personen
Ingredientes para 4 pessoas:

2 doosjes verse aardbeien
2 caixinhas de morangos frescos

vanille-ijs
Sorvete de baunilha

Takje mint
Raminhos de menta

Marinade:
Ingredientes para marinar:

0,5 dl aardbeienazijn
0,5 dl de vinagre de morangos

0,2 dl balsamicoazijn
0,2 dl de vinagre balsâmico

1,5 dl suikerwater (1 deel suiker/1 deel water)
1,5 dl de água açucarada (1 parte de açúcar/1 parte de água)

0,2 bosaardbeien
0,2 dl de essência de morangos silvestres

0,7 dl grand marnier
0,7 dl de licor Grand Marnier

0,2 dl drambuie
0,2 dl de licor Drambuie

Aardbeien room
Creme de leite batido com morangos

Ingredientes para o creme de leite batido com morangos:

1,5 dl slagroom met suiker
1,5 dl de creme de leite batido com açúcar

0,75 dl aardbeienpuree
0,75 dl de purê de morangos

E André novamente nos diz como prepara essa sobremesa.

"Esta deliciosa sobremesa de morangos, claro, é mais apropriada para um dia de verão, mas, de fato, é deliciosa em qualquer estação....como sobremesa em uma festa, ou como tira-gosto.  Deliciem-se então!

Coloque todos os ingredientes para marinar em uma tigela. Flambe o Grand Marnier e o Drambuie antes de adicioná-los aos outros ingredientes para marinar.  Corte os morangos em 4 e deixe-os marinarem por pelo menos 1 hora.

Bata o creme de leite com açúcar até conseguir uma consistência espessa (como iogurte) e adicione o purê de morangos.  Coloque essa mistura na geladeira por algum tempo.

Coloque uma bolinha de sorvete de baunilha em um prato fundo.  Em seguida,  o creme de leite batido com o purê de morangos em volta do sorvete.  Faça um arranjo dos morangos marinados ( junto com um pouco da mistura para marinar) em volta do sorvete e enfeite com um raminho de menta. Está pronta a sobremesa.

Deliciem-se!

André".


O contador de histórias de Fada

A História de Branca de Neve
(Segundo versão contada por André Rieu durante concerto(s) com a JSO)

Texto escrito por Marjorie Rieu.

Tradução: Sonja Harper/Mércia Cosac

Fonte: site de Martine Foxhal – Bélgica (leviolonmagique)

Não encontramos referências quanto a datas ou locais dos concertos em que foi contada esta história)

Nota de Sonja: Todos conhecem esta foto de André Rieu, mas muitos não conhecem a história que ele está contando!

Talvez nunca tenham ouvido nada sobre o assunto ou não entendam a língua holandesa.

Aqui está a versão do conto de fadas “Branca de Neve”, conforme André a contou há alguns anos atrás.

Para ouvir a versão original, com André contando a sua versão em holandês, visite o site de Martine Foxhal, da Bélgica www.foxhal.be/leviolonmagique (página Blanche Neige & Le JSO).

André:
“Se vocês (dirigindo-se à orquestra, ao que parece) realmente quiserem entender a próxima música que iremos apresentar, primeiramente devo lhes contar uma história: um conto de fadas.

JSO:
Sim!!!!!!!!!!

A:
Vocês gostam de contos de fadas? Gostam?

JSO:
Sim!!!!!!!!!!!!)

A:
Era uma vez, havia um rei e uma rainha.

JSO:
Aaaahhh!

A:
Eles viviam em um lindo palácio em um país muito distante.

Esse país ficava além das sete montanhas; St. Pieters, Cau, Koe (colinas situadas em Limburg), Bergen op Zoom e Driebergen.

(Bergen op Zoom e Driebergen são cidades situadas na Holanda; Berg significa montanha em holandês; como vocês sabem, não há realmente montanhas na Holanda, mas qualquer coisa mais alta do que uma pequena colina é chamado de montanha).

A:
Sim, são sete montanhas.

A rainha se chamava Diana e pelos últimos sete anos ela era muito feliz, casada com Swiebertje.

(Swiebertje é o nome de um personagem de um velho programa de TV infantil holandês, exibido de 1955 até 1976).

(A JSO toca o tema do programa: “Aqui vem Swiebertje”).

A:
Hey, hey, hey hey, agora me acompanhem, OK?

André continua a contar..

Ele era o único ao qual era permitido chamar a esposa de “Di”, e na verdade, era assim que ele a chamava: “Di, Di.”

A mãe da rainha também morava nesse palácio; vocês sabem, uma daquelas velhas intragáveis.

Seu nome era “Taai, Taai.”

(Pronuncia-se como “Taaie”, uma gíria da língua holandesa para senhoras idosas tipo “carne de pescoço”).

Como eu estava dizendo, eles eram muito, muito felizes juntos; mas um de seus desejos não havia sido ainda realizado; eles ainda não tinham sido abençoados com a chegada de uma princesinha, ou um principezinho.

Já tinham tentado de tudo.

(Alguns reboliços vêm da orquestra)

Uma noite eles estavam conversando na cozinha do palácio; Di tinha preparado uma magnífica refeição para eles: batatas fritas e “balkenbrij”.

(Balkenbrij é um prato típico da região nordeste da Holanda, feito com bacon, fígado e trigo mourisco; a tradução para “balk” é viga de madeira e “brij” é uma pasta).

Agora, se havia alguma viga na refeição, não se sabe, mas a rainha efetivamente não se sentiu bem após o jantar, e disse ao marido que ia descansar por algum tempo.

E o que aconteceu?

(novos reboliços na orquestra!!!)

Naquela noite nasceu uma princesinha!

Sim, foi assim que aconteceu.

Mas aquela pequena viga de madeira pode ter causado algum efeito sobre aquela garota, pois ela sempre parecia tão pálida e branquinha, que logo ganhou o apelido de “Branca de Neve”.

Aliás, logo depois do nascimento, a rainha faleceu, e foi imediatamente substituída por uma madastra.

Branca de Neve cresceu e se tornou uma linda jovem, uma bela de uma princesa, e fazia muito sucesso junto aos príncipes das redondezas.

Sua madastra, que era muito feia, ficava verde de inveja; aquela mulher era realmente um pouco louca.

Ela tinha um hábito muito estranho: todas as manhãs ela entrava no banheiro, trancava a porta e começava a conversar com o espelho.

Toda manhã era a mesma coisa: “Espelho, espelho meu...”

Já ouviram isso antes?

E aquele espelho, que depois de todos aqueles anos, já estava um pouco danificado, gritava, na verdade, vociferava: “Erwin Kroll!!!”

(Erwin Kroll é um meteorologista holandês)

Aquilo causava um faniquito naquela megera.

E ela estava farta de esconder um assassino no palácio.

Ele havia prometido que Branca de Neve iria desaparecer de uma vez por todas e para sempre.

Branca de Neve de fato desapareceu; pelo menos era isso que a rainha pensava.

No entanto, o que ela não sabia era que o assassino que ela havia contratado estava tendo um caso com Branca de Neve.

Ele não a havia matado pois os dois estavam muito envolvidos um com o outro.

Aos sábados, quando ele saía do esconderijo, para fazer seus assassinatos, ele a levava para passar o final de semana com os sete anões.

(A JSO canta o tema dos sete anões: hei-ho, hei-ho...)

André ri e diz:

”Toda noite tenho de aturar esse pessoal”.

E continua...

Por enquanto as coisas pareciam ir bem, mas o que Branca de Neve não sabia era que o mais velho dos anões estava tendo um caso com sua madrasta.

Sim, é uma história bastante complicada e vocês têm de prestar muita atenção.

Quando a madrasta ouviu dizer que Branca de Neve ainda estava viva, ficou furiosa; vestiu-se como uma bruxa..

(Gritinhos de bruxa ecoavam pela orquestra).

André diz:

”Vocês me dão medo até à luz do dia!

E continua:

Então a madastra vestiu-se de bruxa, e para ser honesto, não convenceu muito bem.

Ela foi à casa dos anões e bateu à porta.

(Soam sons de campainha)

Sim é uma porta de contos de fada verdadeira!

Branca de Neve abre a porta.

(sons de porta rangendo).

André comenta: é a porta?

Vocês precisam lubrificá-la.

Branca de Neve abre a porta amigavelmente, como sempre, e pergunta:

“Em que posso ajudá-la, cara senhora?”.

Alô, bela jovem, olhe o que eu trouxe para você: um delicioso “filet mignon” inglês...

Bom, para encurtar a história, depois de comer apenas um pedaço daquela coisa, Branca de Neve cai, durinha.

(sons de algo caindo e de sirene vêm da orquestra).

E então ela dormiu por cem anos até que foi acordada com um beijo do Príncipe Willem Alexander (príncipe da coroa holandesa), e viveram felizes para sempre.